Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a nuvem cor de rosa

a nuvem cor de rosa

Gelado de morango

PicsArt_03-17-05.29.02.jpg

Olá! 

Hoje apeteceu uma sobremesa. Na verdade, já tinha pensado nela há alguns dias e tinha tudo o que precisava guardado no congelador, para quando batesse mesmo a vontade. Como se prepara em poucos instantes, hoje foi o dia. No fim do almoço, pensamos em gelado. Tinha leite de coco (lata) congelado em sacos de cubinhos , tinha morangos e é mirtilos lavados e arranjados, guardados numa caixa no congelador, tinha tâmaras... Tudo o que é preciso para fazer este delicioso gelado. 

Já não é novidade aqui na nuvem, mas este vem sem laticínios.  Depois do whole, ainda não voltei a eles e ainda não foi desta vez!!

 

Ingredientes:

1 lata de leite de coco congelado em cubinhos

500 gr de morangos e mirtilos, congelados

3 tâmaras médias 

 

Preparação:

Minutos antes de comer este gelado,  juntar todos os ingredientes e triturar tudo muito bem. Eu usei a bimby e coloquei primeiro os morangos e dei uns golpes com o turbo para os partir um pouco mais. Depois juntei o leite de coco, os mirtilos e as tâmaras e triturei mais  até ficar homogéneo e cremoso.

Está pronto a comer! 

 

Abracinhos dos meus, 

Catita. 

 

 

 

 

Tostas de batata doce

PicsArt_11-26-08.29.53.jpg

 

Olá!

Adoro estas tostinhas, bolachinhas, o que lhes quisermos chamar. Já há bastante tempo que este post está para fazer, mas tem andado esquecido. Não quer isso dizer que estás tostas não o mereçam... muito pelo contrário!

 

Ingredientes:

1 batata doce

2 chávenas de farinha de aveia

2 cs de óleo de coco

Folhas de mangericão

 

Preparação:

Basta cozer a batata doce, sem casca e cortada em pedaços. Depois de cozida, junta-se a aveia e o óleo de coco e as folhas de mangericão e mistura-se muito bem até formar uma massa homogénea, num liquidificador ou robot de cozinha. De seguida, vamos dar forma às nossas tostas. Numa folha de papel vegetal, esticamos a massa. Depois, com outra folha de papel vegetal por cima, esticamos a massa mais finamente usando um rolo da massa, até ficar com a espessura desejada. Corta-se  a massa em quadrados ou, no meu caso, usando uma forma para bolachas, e vai ao forno em cima do papel vegetal. O tempo de cozedura é curto e depende da espessura da tosta. As minhas levaram 10 minutos no forno, ficaram crocantes. 

 

1521285974759_PicsArt_11-23-09.43.34.jpg

A sugestão que apresento hoje traz uma pasta de azeitonas pretas, mas podemos juntar a estas tostas um sabor salgado ou um doce. No caso de querermos um sabor doce, no lugar das folhas de mangericão, podemos usar tâmaras ou passas e teremos uma alternativa também bastante agradável. 

 

frittata de bacalhau

IMG_20180313_131535.jpg

 

Olá, olá!

Tenho andado a aproveitar melhor o tempo e hoje estou de volta para vos falar sobre a minha frittata de bacalhau!

Andando numa onda de poupar e de negar o desperdício, aproveitei uns restos de bacalhau cozido e "construí" uma delícia.

A frittata é uma especialidade italiana, onde são usados vários ingredientes, à semelhança das omeletes ou das tortilhas espanholas. A diferença é que, em vez de serem produzidas em forma de folha como o resto das tortilhas, a frittata é aberta e vão se adicionando os temperos e acompanhamentos pelo topo. 

A verdade é que se come quente ou fria, em casa ou no trabalho, e nunca fica mal. Podemos dizer que é a omelete dos preguiçosos... não precisa de ser dobrada e não requer tanta perícia!

As versões originais italianas levam queijos. A minha não tem queijo algum, uma vez que depois de ter feito o whole30, ainda não o reintroduzi na minha alimentação. E, diga-se de passagem, não fez falta nenhuma nesta frittata que vos trago hoje.

 

Ingredientes:

uma posta de bacalhau cozida,

10 azeitonas pretas cortadas ao meio

1 cebola picada

3 dentes de alho picados

pimento encarnado cortado em tiras

folhas de espinafre baby

2 cogumelos brancos grandes cortados em pedaços

cenoura ripada

brócolos cortados em pedaços pequenos

6 ovos

 

modo de preparação:

  • numa frigideira grande, antiaderente, alourei a cebola e os alhos em duas colheres de sopa de azeite virgem extra. 
  • juntei as folhas de espinafre e deixei reduzir, misturando com a cebola e os alhos.
  • acrescentei todos os restantes ingredientes, à exceção dos ovos, e fui espalhando pela frigideira uniformemente.
  • temperei com pimenta preta moída na hora.
  • por fim, deitei os ovos já batidos e deixei cozinhar tapado, em lume muito baixinho, durante uns minutos.

 

Só gostava que pudessem sentir o cheiro que reina nesta cozinha!

Abracinhos dos meus,

Catita.

 

 

batata doce grelhada

PicsArt_03-11-05.34.27.jpg

 

Olá!

O acompanhamento nas refeições principais são uma das coisas em que mais pensamos.

Eu adoro batata doce. Sou capaz de a comer do pequeno almoço até à noite. 

Há uns dias, estava planeada uma refeição de carne grelhada com acompanhamento de uma bela salada. Mas enquanto grelhava a carne na chapa, ocorreu-me a ideia de grelhar tb umas rodelas de batata doce. Assim, lavei rapidamente uma batata doce  e cortei-a em rodelas finas (com cerca de 2, 3 mm de espessura). Dispus as batatas na chapa, temperei com sal rosa dos Himalaias, alho em pó e oregãos. Deixei uns minutos, virei de lado e deixei mais uns minutos. Só vos digo... todos cá em casa adoraram e já repetimos mais algumas vezes!!

 

A verdade é que a batata doce tem inúmeras vantagens:

- tem um elevado teor de vitaminas, especialmente de betacaroteno;

- estimula a produção de melanina na pele;

- tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, contribuindo para a estimulação do sistema imunitário e maior resistência a infeções;

- reduz a absorção de colesterol devido ao seu elevado teor em fibra;

- a fibra solúvel atrasa a absorção dos açúcares, conferindo à batata-doce um índice glicémico inferior ao da batata comum, o que permite uma maior regulação dos níveis de açúcar no sangue;

- pode ser confecionada de diversas formas, ou seja, cozida, assada, em puré, frita, como alternativa no prato principal à batata comum, ao arroz, à massa, etc. e pode ainda ser utilizada na confeção da base das sopas;

- pelo seu menor IG, pela sensação de saciedade prolongada que proporciona e pelo sabor adocicado que pode substituir o consumo de doces, ajuda na redução e perda de peso.

 

Por tudo isto, se ainda não consumiu batata doce hoje, não espere mais e siga o meu conselho na próxima refeição.

 

Abracinhos dos meus,

Catita.

panquecas de amêndoa

PicsArt_03-11-05.11.06.jpg

Olá!

Uma vez por semana, o pequeno almoço cá em casa são panquecas. Todos gostamos delas e para variar dos pequenos almoços paleo que como durante toda a semana, há um dia em que faço umas panquecas para começar o dia. Geralmente, ao domingo.

Trago-vos hoje as minhas preferidas. Não uso farinhas de cereais, nem leite, nem açúcares. Uso apenas frutos secos e o doce da fruta e fica maravilhoso! Bem sei que já há algum tempo que deixei de consumir açúcar, o meu paladar já está alterado, mas acredito que também vocês vão gostar.

 

Ingredientes:

2 ovos

1 banana

2 csopa de farinha de amêndoa

1 csopa de araruta

 

Depois de todos os ingredientes muito bem misturados, resta-nos cozinhar as panquecas numa frigideira anti aderente, muito bem aquecida. Com o lume baixo, deito 2 colheres de sopa de massa no centro da frigideira e espalho-a um pouco. Deixo cozinhar lentamente, viro a panqueca e repito o processo até acabar a massa.

Confesso que adoro e que não como mais vezes porque me sinto melhor com outro tipo de pequeno almoço. Mas uma vez por semana sabe tão bem, e faz maravilhas!!

 

Abracinhos dos meus,

Catita.

 

 

bolinhos de cacau e alfarroba

PicsArt_03-11-03.57.11.jpg

 

Olá!

Tenho andado tão ausente! Tão sem tempo para postar o que quer que seja... mas isso não significa que tenha deixado de me preocupar com a alimentação ou que tenha deixado de fazer receitas novas dentro do conceito paleo. Muito pelo contrário!

Tenho feito muitos bolos, tenho andado ajudado a mudar alguns hábitos alimentares em algumas pessoas, tenho passado muito tempo na cozinha. Isso tira-me tempo ao computador, mas não as ideias e a vontade de vos mostrar o que faço.

Por isso, hoje deixo-vos a receita de uns bolinhos marvilhosos que tenho feito muito nos últimos meses. Todos gostam deles e muitas são as encomendas. Faço uma versão mini cupcake, apelativa ao olhar e que funciona muito bem para acompanhar um café e servir de miminho.

Como se lembram, uso muitas vezes a bimby para me ajudar a preparar as minhas receitas, mas todas elas podem ser feitas do modo tradicional.

 

Ingredientes:

5 ovos

40 gr de agave

80 gr de óleo de coco

60 gr de cacau em pó

150 gr de água quente

100 gr de farinha de aveia

30 gr de farinha de alfarroba

20 gr de araruta

1 cchá de fermento

1 ccafé de bicabornato de sódio

 

Modo de preparação:

  • com o misturador na lâmina, juntar no copo os ovos, o agave e o óleo de coco e programar 5 min, 37º, vel 4.
  • numa taça à parte, juntar a água aquecida e o cacau, mistura-se bem  e junta-se ao copo, programando 3 min na vel 4.
  • acrescenta-se as farinhas, o fermento e o bicabornato de sódio e mistura-se 30 seg na vel 2.
  • deitar a massa em forminhas de silicone e levar ao forno previamente aquecido a 180º, durante 15-20 minutos.
  • no final da cozedura, deixar arrefecer um pouco e retirar das formas.
  • decorar a gosto, ou não. 

 

Estes bolos fazem as delícias tanto de adultos como de crianças. Estas últimas comem-nos como lanche na escola, podem servir como pequeno almoço num dia de fim de semana, etc.

 

Experimentem e digam o que acham.

Abracinhos dos meus,

Catita.